sexta-feira, 8 de setembro de 2017

PRÊMIO NO BLOGUE MOVIMENTO CULT

*Prêmio Radiotelegrafista Amaro Pereira de Crônica
divulgado no blogue Movimento Cult 
da Ed. Costelas Felinas dos amigos escritores 
Cláudia Brino e Vieira Vivo
de São Vicente/SP.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

PRÊMIO É DIVULGADO NO PORTAL COMUNIDADE ÁRABE

*Prêmio Radiotelegrafista Amaro Pereira de Crônica
é divulgado no Portal Comunidade Árabe 
de São Paulo/SP.
*Matéria do escritor e acadêmico
Anthony Mohammad.



segunda-feira, 4 de setembro de 2017

PRÊMIO É MATÉRIA NO NOTICIÁRIO DOS LAGOS

*Prêmio Radiotelegrafista Amaro Pereira de Crônica 
é matéria do Jornal Noticiário dos Lagos 
de Cabo Frio/RJ.

*A matéria foi feita pela jornalista e acadêmica
Sylvia Maria no dia 02 de setembro.

PRÊMIO É DIVULGADO NO BLOGUE CANTINHO DE IDEIAS

*Prêmio Radiotelegrafista Amaro Pereira de Crônica
 é divulgado no blogue da amiga e poetisa 
Luciana Rugani de Cabo Frio/RJ.

sábado, 2 de setembro de 2017

EDITAL DO IV PRÊMIO RADIOTELEGRAFISTA AMARO PEREIRA DE CRÔNICA


IV PRÊMIO RADIOTELEGRAFISTA
AMARO PEREIRA DE CRÔNICA



EDITAL/15 - 2017

REGULAMENTO

1. Participantes:

1.1. Qualquer cidadão brasileiro ou estrangeiro, sendo que as crônicas inscritas estejam em língua portuguesa.

1.2. A idade mínima para participação do concurso é de 12 anos.

2. Período de inscrição:

2.1. Início: 03 de setembro de 2017.
Término: 28 de outubro de 2017.

2.2. As inscrições são aceitas até o dia 28 de outubro de 2017.

2.3. As inscrições poderão ser feitas via e-mail. Enviar até a data limite para: poesiarte@hotmail.com

3. Categoria:

3.1. Crônica – 1 (uma) por concorrente, com máximo de 2 (duas) laudas (folhas).

4.Tema: Futebol, uma arte do passado.

4.1. O objetivo do tema é estimular a criatividade dos participantes. Levando também a contar fatos engraçados, interessantes do futebol amador ou profissional do passado.

5. Textos:

5.1. Deverão ser escritos em língua portuguesa (idem ao item 1.1), digitados em papel branco A4, de um só lado da folha em fonte Arial ou Times New Roman, tamanho 12, espaço 1,5, em 6 (seis) vias (cópias).

5.2. Não serão aceitos trabalhos manuscritos, ou seja, fugir do padrão exigido. (ver item 3.1)

5.3. Os trabalhos deverão ser inéditos, isto é, ainda não publicados em nenhum meio de comunicação ou em livro e principalmente por sites ou blogs na internet.

5.4. Os textos deverão conter exclusivamente o título da obra e o pseudônimo do autor.

5.5. Os pseudônimos não deverão guardar qualquer semelhança com o nome, apelido ou outro fator de identificação do concorrente, pois se houver o inscrito será eliminado.

5.6. Casos de plágios serão denunciados pela organização do concurso.

6. Apresentação dos trabalhos por via e-mail.

Segue o modelo de ficha de inscrição:

Nome completo;
Cidade de origem:
Data de nascimento completa:
Cidade que representa:
Atividade que ocupa:
Título da crônica:
Pseudônimo:
Site ou blog:
E-mail:
Endereço postal:

6.1. Caso o inscrito não preencher devidamente o formulário acima não estará qualificado para o certame do concurso.

6.2. Não haverá devolução dos trabalhos recebidos.

6.3. Os trabalhos que não obedecerem às regras deste concurso serão automaticamente desclassificados.

6.4. As crônicas enviados por via e-mail deverão estar em documento Word, seguindo as especificações do item 5.1.

6.5. Não serão aceitas inscrições através de PDFS ou digitalizações.

7. Julgamento:

7.1. O corpo de jurados será formado por profissionais da área, altamente qualificados pela Comissão Organizadora do Concurso, que serão conhecidos e apresentados brevemente no blog.

7.2. As decisões do júri são soberanas e irrecorríveis.

7.3. Serão ainda critérios para o julgamento das obras inscritas:

a) Vocabulário.
b) Conotação (uso de figuras de linguagem).
c) Estrutura narrativa (enredo, narrador, personagem, tempo, espaço e discurso).
d) Intertextualidade.
e) Criatividade.

7.4. Cada item acima valerá 20 pontos, o somatório de todos os itens é de 100 pontos.

7.5. Serão 06 (seis) jurados que farão suas avaliações e irão comentar cada obra finalista, dando o resultado final após o somatório dos pontos.

7.6. Manter o texto dentro das dimensões propostas no Regulamento.

7.7. Não serão aceitos trabalhos fora do tema estipulado.

7.8. Trabalhos com menções pornográficas, preconceituosas (cor, raças, sexo, religião, etc) serão automaticamente eliminados pelo júri.

7.9. A comissão organizadora decidirá sobre as omissões deste regulamento, depois de ouvida a opinião do júri.

8.Divulgação dos resultados:

8.1. A divulgação dos poemas inscritos com os seus pseudônimos será feita através do blog do concurso.

8.2. O resultado final do concurso será no dia 18 de novembro de 2017.

8.3. Tudo será divulgado no blog do concurso.

8.4. Caso ocorra atrasos nos resultados as datas serão modificadas e os inscritos saberão através do blog.

9. Premiação:

9.1. O primeiro colocado receberá um diploma, um livro e medalha.

9.2. O segundo colocado receberá um diploma, um livro e medalha.

9.3. O terceiro colocado receberá um diploma, um livro e medalha.

9.4. Caso no decorrer do concurso a comissão organizadora possa adquirir patrocínios, os prêmios serão mais pomposos com a realidade do concurso.

9.5. Não será permitido empate.

9.6. Disposições Gerais:

9.6.1. O IV PRÊMIO RADIOTELEGRAFISTA AMARO PEREIRA DE CRÔNICA se reserva no direito de publicar as crônicas inscritas, vencedoras ou não, em livros, ficando explícito que o ato de inscrição através da ficha implica em autorização para publicação.

9.6.2. Os autores das crônicas publicadas serão automaticamente avisados por via e-mail.

Cabo Frio, 02 de setembro de 2017.

Rodrigo Octavio Pereira de Andrade (Rodrigo Poeta)
Coordenador e idealizador do IV PRÊMIO RADIOTELEGRAFISTA AMARO PEREIRA DE CRÔNICA

Edweine Loureiro
Coordenador de Divulgação pela Internet do IV PRÊMIO RADIOTELEGRAFISTA AMARO PEREIRA DE CRÔNICA


APOIO:
NOTICIÁRIO DOS LAGOS
ABRAONG
PORTAL ÁRABE ALTO TIETÊ

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Dados do III° Prêmio Radiotelegrafista Amaro Pereira de Crônica




Dados do III° Prêmio Radiotelegrafista 
Amaro Pereira de Crônica


1-Aparecida Gianello dos Santos.
Crônica: Fome.
Cidade: Martinópolis-SP.

2-Luana Lêdo.
Crônica: Cola.
Cidade: Araruama-RJ.

3-Carolina Navarro.
Crônica: Colar ou Estudar?
Cidade: Araruama-RJ.

4-Lívia Maria.
Crônica: Ser “Onze” sem colar.
Cidade: Araruama-RJ.

5-Maria Alyce.
Crônica: Mascar Chiclete!           
Cidade: Araruama-RJ.

6-Ana Victória.
Crônica: Colando do meu lado?
Cidade: Araruama-RJ.

**********************************

7-Laisy Maria.
Crônica: A última vez que colei.
Cidade: Araruama-RJ.

8-Thaíssa das Mercedes.
Crônica: A Cola.
Cidade: Araruama-RJ.

9-Laysa Rançato.
Crônica: Quando repeti o 5° ano.
Cidade: Araruama-RJ.

10-Gustavo Roriz.
Crônica: A desonestidade.
Cidade: Araruama-RJ.

11-Júlia Ferraz.
Crônica: Quem come engorda? E quem não come?
Cidade: Araruama-RJ.

12-Matheus Oliveira.
Crônica: Amigos...Da onça!!!
Cidade: Araruama-RJ.

13-Yanko Dias.
Crônica: Cola nunca foi da hora.
Cidade: Araruama-RJ.

14-Victória Avelino.
Crônica: Pedra, papel  ou cola?
Cidade: Araruama-RJ.

15-Daniel Vieira.
Crônica: Vamos colar?
Cidade: Araruama-RJ.

16-Caio Marques.
Crônica: Cola! Só se for figurinha.
Cidade: Araruama-RJ.

17-João Pedro.
Crônica: As opiniões deles.
Cidade: Araruama-RJ.

18-Ivan de Oliveira.
Crônica: Como eu colei.
Cidade: Araruama-RJ.

19-Vitória Regina.
Crônica: Alunos e seu clássico questionamento.
Cidade: Araruama-RJ.

20-Alana Carolina.
Crônica: A compra mal sucedida.
Cidade: Araruama-RJ.

21-João Gabriel.
Crônica: Reclamação dos professores.
Cidade: Araruama-RJ.

22-Matheus Borges.
Crônica: Televisão quebrada.
Cidade: Araruama-RJ.

23-Matheus Campos.
Crônica: Carta para o Igor.
Cidade: Araruama-RJ.

24-Ia Leonardo.
Crônica: Zoeira.
Cidade: Araruama-RJ.

25-Leonardo Raposo.
Crônica: Entrega ineficiente de mercadoria.
Cidade: Araruama-RJ.

26-Emanuel.
Crônica: Reclamação a diretora.
Cidade: Araruama-RJ.

27-Patrick Bonfim.
Crônica: Tenho uma reclamação.
Cidade: Araruama-RJ.

28-Matheus Gomes.
Crônica: Devolução de um produto.
Cidade: Araruama-RJ.

29-Juliana Jeovani.
Crônica: A Jarra.
Cidade: Araruama-RJ.

30-Victor Hugo.
Crônica: É para sair?
Cidade: Araruama-RJ.

31-Carlos Eduardo.
Crônica: Mau atendimento.
Cidade: Araruama-RJ.

32-Letícia Barros.
Crônica: Que horas são?
Cidade: Araruama-RJ.

33-Luís Filippe.
Crônica: Dia a dia na escola.
Cidade: Araruama-RJ.

34-Emanueli Vitória.
Crônica: As três meninas e uma só dúvida!
Cidade: Araruama-RJ.

35-Thuan Botelho.
Crônica: Minha sala é uma comédia.
Cidade: Araruama-RJ.

36-Bruno Batista.
Crônica: Os três patetas.
Cidade: Araruama-RJ.

37-Letícia de Oliveira.
Crônica: O novo vizinho.
Cidade: Araruama-RJ.

38-Flaviano dos Santos.
Crônica: Marca com um e faz com outro.
Cidade: Araruama-RJ.

39-Matheus Silva.
Crônica: Meu primeiro grupo.
Cidade: Araruama-RJ.

40-Pedro Paulo.
Crônica: Provas.
Cidade: Araruama-RJ.

41-Luca Felippe.
Crônica: 7+7 = 13.
Cidade: Araruama-RJ.

42-Pedro Marques.
Crônica: Melhor dos Eus?
Cidade: Araruama-RJ.

43-Júlia dos Santos.
Crônica: Partiu festinha?
Cidade: Araruama-RJ.

44-Thalia Raquel.
Crônica: Os três demais.
Cidade: Araruama-RJ.

45-Lucas Oliveira.
Crônica: Dupla de três.
Cidade: Araruama-RJ.

46-Sara Gomes.
Crônica: Para onde vamos?
Cidade: Araruama-RJ.

47-Marcus Vinicius.
Crônica: O barquinho.
Cidade: Araruama-RJ.

48-Sarah Fabiane.
Crônica: Dias estranhos.
Cidade: Araruama-RJ.

49-Maria Eduarda.
Crônica: Vizinhos.
Cidade: Araruama-RJ.

50-Jhonatan Brasil.
Crônica: Sala de aula.
Cidade: Araruama-RJ.

51-Lívia Garcia.
Crônica: A evolução da 700 – SQÑ.
Cidade: Araruama-RJ.

52-Danilo Trindade.
Crônica: A turma 700.
Cidade: Araruama-RJ.

53-Vitor Vieira.
Crônica: Pessoas que fazem muitas perguntas.
Cidade: Araruama-RJ.

54-João Pedro Batista.
Crônica: A melancia ou melão.
Cidade: Araruama-RJ.

55-Nayara Rodrigues.
Crônica: Irritando a minha mãe!
Cidade: Araruama-RJ.

56-Leonardo Moura.
Crônica: Zero.
Cidade: Araruama-RJ.

57-Laura Carcanho.
Crônica: Menino mal criado.
Cidade: Araruama-RJ.

58-Nathan Machareth.
Crônica: Primeiro dia de aula. Aff!
Cidade: Araruama-RJ.

59-Leanderson Amorim.
Crônica: Solução para o problema do aluno.
Cidade: Araruama-RJ.

60-Gabriel Viana.
Crônica: A prova.
Cidade: Araruama-RJ.

61-Lucas Ferreira.
Crônica: Aluno rebelde.
Cidade: Araruama-RJ.

62-Matheus Ribeiro.
Crônica: João, o menino problemático.
Cidade: Araruama-RJ.

63-Geraldo Trombin.
Crônica: A Nação dos Sem-Noção e Sem-Educação.
Cidade: Americana-SP.

64-Marcelo de Oliveira.
Crônica: O Aluno Lixeiro.
Cidade: Salvador-BA.

65-Edweine Loureiro.
Crônica: Velório.
Cidade: Saitama – Japão.

66-Diego de Toledo.
Crônica: Lições do Destino.
Cidade: Limeira-SP.

67-Yan Maia.
Crônica: Bagunça.
Cidade: Araruama-RJ.

Obs.: Somente os seis primeiros na listagem estão em ordem de colocação ao prêmio.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

1°lugar no Prêmio 2016



1°lugar:

*Nome:Aparecida Gianello dos Santos.
*Crônica: FOME.
*Pseudônimo: CLARICE LIS.
*Cidade: Martinópolis-SP.
*Pontuação: 558.



FOME

           Ir para o ginásio significava para mim ficar livre da horrenda sopa de caneca servida no primário, ano após ano. Tinha gosto de sabão. O que eu não contava era que um dia essa coisa gosmenta pudesse me fazer querer voltar no tempo. Ainda me lembro do cheiro... O segundo a marcar minha infância depois das provas mimeografadas da professora Clélia.
          Os intervalos agora eram vazios, ironicamente, na proporção do meu estômago (passei sem saber que não davam merenda no quinto ano...). Eu perambulava pelo amplo pátio a fim de matar o tempo, já que não podia matar a própria fome, e ficava pensando no semblante pesado da velha merendeira me olhando com seus dentes faltantes e cabelos desgrenhados. Ah, como eu desejava vê-la ainda me servindo um pouco do seu caldeirão! Distraía-me com essas lembranças, contando os minutos para ouvir logo o sinal. Queria voltar para a sala e despistar os enxeridos colegas com suas perguntas: “Você não vai comer? ... Cadê sua lancheira? ... Não tem dinheiro?”. Juro. Qualquer hora meus olhos saltariam para cima daqueles sanduíches e doces e guaranás e ... Que ódio!
         Quanto menor era meu interesse pelos recreios, maior era meu desejo de sumir do mapa. O problema era que as dependências da escola não ofereciam lá muitas opções. Certa vez, tive a ideia de procurar a Direção e dizer que estava com alguma dor, o que não era nenhuma mentira, pois a fome me roía por dentro feito um bicho feroz. Pus-me a andar por um corredor largo e claro. Excessivamente claro para quem não queria ser vista. No meio do percurso, parei em frente a uma porta que estava entreaberta. Olhei pelo vão. Havia mesas e cadeiras, sofás e milhares de títulos dispostos em enormes prateleiras. Logo imaginei que aquele daria um ótimo esconderijo, aconchegante e convidativo. Na recepção, chamava a atenção um belo esboço de Lispector, a bibliotecária: cabelos brilhantes e bem penteados, roupas elegantes, ares de intelectual. Olhou-me fixo por alguns instantes, parecendo me ler. Deu de leve um sorriso, convidando-me a ficar. Bastou, para que eu esquecesse a tola ideia de pedir dispensa. Finalmente um pouco de paz, respirei aliviada. Pela primeira vez, na biblioteca, eu me esqueci completamente da fome... Foi quando passei a devorar livros.

(Aparecida Gianello)

2°lugar no Prêmio 2016


2°lugar :

*Nome: Luana Lêdo.
*Crônica: COLA.
*Pseudônimo: LL.
*Cidade: Araruama-RJ.
*Pontuação: 314.




COLA

     Quem cola não sai da escola...Será mesmo? Jogue uma pedra quem nunca colou!!! Sei de muitos advogados, médicos que já colocaram e hoje estão aí! RS.
     Bom eu confesso que já colei e fui pega de boca! Faz uns três anos já, mas até hoje me sinto mal e arrependida. Vou contar, mas prometam que será segredo nosso!
     Numa sala gelada e fria, às 7:30 da manhã, aff...Queria mesmo era estar roncando, rsrs. Enfim, era prova de inglês e eu não sabia nadinha, não tinha olhado nem a matéria pra ter pelo menos uma noção. Prova entregue, e pensei, por que não?!
     Peguei meu celular, desbloquiei, e como eu já tinha as fotos do livro no meu celular não precisei nem de Google. Olha, nem eu sei como fui tão destemida !!!
    Tudo bem, até que alguém atrás de mim...Era um professor, ele me entregou, mas disse que estava vendo o horário e deu tudo certo.
     Mas agora um conselho: não colem! Uma das melhores coisas é você saber uma prova (me sinto o máximo e orgulhosa), e das piores é você ter que se submeter a esse tipo de coisa!!! Bjs.

(Luana Lêdo)



3°lugar no Prêmio 2016


3°lugar :

*Nome: Carolina Navarro.
*Crônica: COLAR OU ESTUDAR?
*Pseudônimo: CN.
*Cidade: Araruama-RJ.
*Pontuação: 305.





COLAR OU ESTUDAR?


       Eis a dúvida entre milhões e milhões de crianças , adolescentes e até adultos, né?    Não adianta você falar que nunca colou, que seus olhos nunca “sem querer” pularam rapidamente para a prova do seu amiguinho, porque é mentira. Muitos jovens “colam” sem nem se importar, pensam só em tirar nota boa e que se dane o professor, as regras, só que infelizmente alguns se esquecem que não estão realmente aprendendo NADA! Além de acabar sendo pego e tirar um zero.
       Eu obviamente já colei, só que eu de verdade não me orgulho disso não. Hoje em dia vejo e penso que eu poderia sim ter estudado e me esforçado mais, em vez de simplesmente colar.
       É muito feio, sério e olha que quando pegam você colando é mais feio ainda, da uma vergonha, vontade de sumir.
       Eu já passei por isso, uma vez eu não tinha estudado nada, pois no dia anterior tive apresentação de jazz, cheguei bem tarde em casa e ainda era prova de “CIÊNCIAS”, matéria na minha opinião mais complicada. Quando me entregaram a prova fiquei apavorada, e acabei olhando as respostas da amiguinha do lado sem disfarçar, não deu certo!
       A professora pegou minha prova e zerou, mas que vergonha né? Horrível. Então estudem, se esforcem, pois o resultado é muito mais gratificante.

(Carolina Navarro)